segunda-feira, 11 de março de 2013

Líder comunitário de Assunção do Piauí contesta matéria do UOL


Publicada em 10/03/2013 às 13h25 Atualizada em 10/03/2013 - 13h37

O líder comunitário da Comunidade Brejinho em Assunção do Piauí, Caetano Silva, vem através de nota de esclarecimento repudiar uma reportagem veiculada no portal de notícias UOL e reproduzida por vários portais locais. A reportagem diz que pessoas da comunidade Brejinho em Assunção do Piauí precisam se alimentar de "rabudos" para aplacar a fome. De acordo com Caetano a matéria é recheada de inverdades e as fotos mostradas não são de moradores da comunidade, como também uma senhora citada, não mora no lugar.
Imagem: Pessoal | FacebookJosé Caetano Silva, líder comunitário(Imagem:Pessoal | Facebook)José Caetano Silva, líder comunitário
Veja a nota na íntegra:
Gostaria aqui, como defensor da cultura local de Assunção do Piauí e líder comunitário membro do Conselho Municipal e Estadual de Segurança Alimentar, INVALIDAR a reportagem aqui postada e feita sem nenhum caráter, abordando os seguintes pontos:

- INVERDADES
1° - A foto usada na matéria não pertence a nenhum dos moradores de Assunção do Piauí, muito menos em Brejinho, conheço a todos do município.

2° - No Brejinho de Assunção do Piauí não existe nenhuma pessoa de nome "Francisca Ramos da Silva".

3° - Na comunidade Brejinho, neste município, mais de 16 hectares de terras embrejadas e plantadas de macaxeiras, bananas, mamão, coco, manga, cana-de-açúcar e outras fruteiras e, além do mais todas às famílias são assalariadas, ou através de serviço público, ou aposentadoria, ou pensão por morte ou da criação de caprinos e ovinos. Além do mais, mesmo tendo como sobreviver, muita gente muitas famílias recebem o bolsa família que, inclusive chega até incluir o "iogurte" na cesta básica.

4° - Não existe, nesta comunidade Brejinho e, eu moro aqui todos os dias, nenhuma família vivendo sem, no mínimo, as três refeições por dia, tendo que para sobreviver capturar "rabudo".

5° - Dizer que "rabudo" faz mal a saúde é outra grande mentira, este roedor assado na brasa com tapioca é o melhor cardápio da região, eu mesmo fui criado comendo "rabudo" como complemento das refeições, tenho 34 anos e desconheço qualquer pessoa da minha região que tenho atraído, quaisquer que seja, algum tipo de doenças depois de ter comido carne de rabudo.

- VERDADES


1° - A seca está castigando Assunção do Piauí em 2013, pelo terceiro ano consecutivo e, algumas espécies da caatinga estão desparecendo.

2° - Comer carne de "rabudo" capturado nestas armadilhas é uma tradição centenária e um robe para muitos garotos e famílias da região, pense numa farofa boa!, muitos turistas procuram este roedor para tirar gosto da cachaça.

3º - Antes de 2003, ou melhor, antes do Governo Lula, muitas famílias passavam fome em Assunção do Piauí, uma das comunidades mais sofridas era a Comunidade Quilombola Sítio Velho, 90% das mortes na comunidade era desnutrição e mortalidade infantil (Fome). Hoje mais de 100% das famílias de Assunção do Piauí e Sítio Velho recebem o Bolsa Família, tem família recebendo mais R$ 700,00 mensal do programa, inclusive em Sítio Velho, 10 anos depois de Governo Lula, já existe domicílios com instalações de "ar-condicionado" e até moradores possuindo Pick-up Hilux.

- CONCLUSÃO 

Concluo dizendo que, a equipe de reportagem que fez a entrevista com o Sr. Genival Bezerra, morador de Brejinho, apurou informações acerca da Caverna da Fumaça e que a história dos rabudos seriam informações a parte e que várias fotos foram tiradas da comunidade. Inclusive várias fotos da Comunidade Brejinho estão expostas na GALERIA DE FOTOS do site "www.assuncaolivre.com" para o público tomar conhecimento. Quem, por tanto, editou e publicou esta matéria teve, se não, a pura intenção de DENEGRIR A IMAGEM da comunidade e dos moradores que habitam nela.

É o meu repúdio.

José Caetano da Silva.

Edição: Edmundo Neto
Fonte: Da Redação
Postar um comentário